Wednesday, December 31, 2008

Sunday, December 21, 2008

O Natal está aí? quem diria!!!...


Coloco a minha aura azul e saio para a rua

num dia bonito de sol; a geada com traços

de neve persiste nos cantos sombrios;

a sombra esconde o ar agreste do vento

da serra; três mulheres de negros vestidos

gralham no jardim, sentadas na beira do banco;

um par de namorados aos longos abraços,

o rapaz grava em risos a vistosa figura

da rapariga; a luz natural acende os brilhos

dos enfeites natalícios, vermelhos e prata;

há gente que vai e vem sem destino;

o escultor molda nas suas imagens o alento

da pedra aos pés da Catedral; entretanto,

some o dia em neblina de encantamento,

acima da marca visível do horizonte,
uma cor azul-turquesa imaculada...
.............................................
FELIZ NATAL A TODOS!!!
.............................................

Sunday, December 14, 2008

Cai neve


Gota de chuva

chuva tão fria

que até dói...

o vento assobia

e remói

dentro da chaminé

uma saída...

uma folha esquecida

cai do alto ramo

da árvore

como ave ferida

numa asa oblíqua

a queda ...

..............................

na magia da noite

a neve amacia
a manhã branca!



Saturday, December 06, 2008

Percursos

Parece que foi ontem...

Dois anos são uma vida


Está toda a gente mais crescida!


Como é que isso aconteceu?


Ninguém deu conta de nada!


No fim desta encruzilhada


Voltamos os olhos atrás


e que vemos? Estou pasmada!


Tanto caminho se andou


tanto que se aprendeu


tantas palavras trocadas


tantas palavras escritas


tantas palavras não ditas


tantos risos e suspiros


E agora chega mansinha


a saudade a nostalgia


a vontade de ficar


o desejo de seguir


sem nunca excluir


cada passo cada dia


cada erro cada acerto


ficamos todos mais perto


mesmo que seja em silêncio


sereno de cumplicidade..



mesmo que fique cá dentro


a aventura que não se vê...


Palavras então para quê,


se dizemos tudo sem dizer nada?

( anteriormente publicado em http://www.diabretesdasletras.blogspot.com/ e http://www.piratasdasabedoria.blogspot.com/)

Para:
os meus alunos de 36 anos,
os que seguiram os meus passos,
os que escolheram outros caminhos,
os que ainda me recordam,
os que me esqueceram,
os meus colegas que caminharam ao meu lado,
os colegas que caminharam mais ao lado,
os que caminharam longe de mim,
os que lutam,
os que não lutam tanto,
os Pais dos meus alunos,
os Pais que foram meus alunos,
os filhos (que foram meus alunos)
dos pais que foram meus alunos...
aos amigos...
ao actual ME e PM , que conseguiram unir os Professores de forma inimaginável...

Nem sei se é noite se é tarde se escuridão simplesmente

A lareira brilha
esconde no fogo
a tarde escura
fora de portas
e a triste chuva
cai-sem-cair nem
sabe se é chuva
a televisão em ponto
morto em música
repetida e lenta
a roupa sobre a tábua
lisa e pachorrenta
o ferro sobre a roupa
passa-que-passa
pára e repassa
a cabeça na lua
jornais caídos no sofá
revistas fechadas
num canto esquecido
livros lidos nunca-lidos
talvez-lidos repetidos
um-dia-hão-de ser-lidos
lidos repetidamente
nos mesmos capítulos
as fotos nas molduras
de sempre-para-sempre
o quadro das mulheres
com cores imaginárias
os bibelôs barrigudos
em estantes de granito
a lareira o único grito
de calor de luz e vida
a mão agarra o ferro
sobre a roupa sobre
a tábua tão quieta
a lareira quente
e desperta...

Wednesday, December 03, 2008

Sunday, November 30, 2008

Saturday, November 29, 2008

Neve...

A noite ficou queda, muito quieta ,
em espera, sonolenta e alerta,
para lá das janelas fechadas,
as ruas secas, geladas,
um instante, uma brisa
da serra, uma estrela breve,
devagarinho desliza
sobre a terra, cai a neve
sem talvez!...



Friday, November 28, 2008

Talvez a neve...

Um bando de pardais
perfiladitos no muro...
veio o vento frio e duro
e todos partiram sem mais
endiabrados em gritaria absurda...
as pombas desorientadas
procuram migalhas espalhadas
às voltas no chão cinzento
de pedra, o céu pardacento
anunciando neve ...
talvez...

Tuesday, November 11, 2008

Eu decido - parte II




Quero escolher a hora
de partir numa manhã
com cheiro a tílias,
não quero trazer pó
nas solas dos sapatos,
bato com força os pés,
a desfazer o triste nó
que trazia em mim
nesta cena de fim,
levanto a cabeça,
como sempre,
insubmissa, decidida
para seguir a vida
sem olhar
nem uma vez
para trás…

… as tílias seguirão
junto ao portão
como é habitual,
do lado de fora…
… como eu,
e, contudo…
… apesar de tudo,
sempre vivas
e verticais …
...................
...................
...................
.....................................................................................
Estes três mais recentes posts eu dedico:
Aos colegas que na minha Escola e noutras se têm aposentado, muitas vezes, antecipadamente nestes últimos anos;
em particular, às colegas do Departamento de Línguas da Escola Básica dos 2º e 3º ciclos de Santa Clara da Guarda;
e ainda, mais particularmente, aos que foram professores/as da minha filha ( uma delas recebeu o "recado" da aposentação hoje e estava de lágrimas nos olhos ... ) .
Aos meus alunos de 36 anos - da Escola Preparatória Silva Gaio, Coimbra; Escola Preparatória de Anadia; Escola Preparatória General João de Almeida, posteriormente, Escola Preparatória da Guarda, actualmente, Escola Básica dos 2º e 3º ciclos de Santa Clara da Guarda

Intermezzo

( a Biblioteca
mudou de lugar
alguém descobriu
que os livros
da última estante
- principalmente!-
paravam um instante
de contar histórias
e dizer palavras
para namorar
as tílias paradas
ao fundo do portão…
agora as últimas folhas
rumorejam cem cessar
segredos de amores
e saudades..)

Eu decido - parte I


pois quero ser eu
a escolher a hora
da partida,

quero uma manhã serena
com vontade imensa
um desejo intenso
de fazer gazeta,
ir até ao parque
declamar por inteiro
a Nau Catrineta:
o afoito marinheiro
sobe ao tope real
num banco de pedra,
afirma-se bem:
vê terras de Espanha
e areias de Portugal,

imagina-se uma Infanta
com três filhas à espera
debaixo de plátanos
de um fingido laranjal,

e, Garrinchas, pelo Natal,
inventa uma consoada
pueril e abençoada,
no cimo da colina nevada,
junto à ermida solitária,
não se abre a montanha
à voz de “abre-te, Sésamo”,
mas a imaginação pode tudo
e os montes, num murmúrio,
desvendam lendas e fábulas,
e, nos vinhedos, uma mãe
faz a trança à filha,
muitas lembranças boas
( lembranças más,
quem as quer agitar
neste momento?)
dispersas pelas paredes
que atravessam as portas
e partem soltas, livres, à toa
pelas encostas perto da torre
num castelo de antigamente,
nem Ítaca, nem Tróia,
nem descida ao Inferno,
nem impiedoso Inverno,
apenas outro caminho,
apenas outras viagens,
novas encruzilhadas…

Monday, October 27, 2008

Mudam-se tempos e ventos




















Uma vez era um ninho de amor e vida;






outro tempo, a noite chegou, escondida,






os homens desertaram, as aves fugiram;







dia a dia, as paredes murcharam e caíram







como folhas mortas num outono triste;







em cada pedra seca, o velho umbral,







à entrada da antiga porta, resiste;







o céu acomodou-se a esta moldura







improvisada, terna e intemporal;







passaram tempos e marés,







veio o império soberbo do betão,






arrancou árvores, tapou o sol,






escondeu o azul, cortou o coração:






e, agora, ao passar o umbral pasmado






daquela antiga porta, a parede crua






roubou a alma do lugar e do passado;






descubro, ainda alta, no azul-noite, a lua!





.............................................................................................................

Friday, October 24, 2008

Palavras soltas à volta de um castanheiro


vendaval de desesperança
bonança
limpidez do ser
céu azul
nas entrelinhas tresler
linha perpétua
desesperada a régua
no horizonte longínquo
rosa oblíquo
sem chegada sem partida
despida
viagem adiada
palavra nada inspirada
desfeita em acrónimo
de despoeta anónimo
no castanheiro
o primício
ouriço
inteiro
inflecte
reflecte
cai ou não
introspecção…

Monday, October 20, 2008

Passeio





Havia uma oliveira:


entre os troncos antigos


alguém ouvia ainda

o som saudoso


da brincadeira


das crianças...


Sunday, October 12, 2008

Meu país desgraçado... - Sebastião da Gama

Meu país desgraçado!...
e no entanto há Sol a cada canto
e não há mar tão lindo noutro lado.
Nem há céu mais alegre do que o nosso,
Nem pássaros, nem águas…

Meu país desgraçado!...
Por que fatal engano?
Que malévolos crimes
teus direitos de berço violaram?

Meu Povo
de cabeça pendida,
mãos caídas,de olhos sem fé
- busca, dentro de ti, fora de ti, aonde
a causa da miséria se te esconde.

E em nome dos direitos
que te deram a terra, o Sol, o Mar,
fere-a sem dó
com o lume do teu antigo olhar.

Alevanta-te, Povo!
Ah!, visses tu, nos olhos das mulheres,
a calada censura
que te reclamam filhos mais robustos!

Povo anémico e triste,
meu Pedro Sem forças, sem haveres!
- olha a censura muda das mulheres!
Vai-te de novo ao Mar!
Reganha tuas barcas, tuas forças
e o direito de amar e fecundar
as que só por Amor te não desprezam!


( hoje excepcionalmente, a voz ao poeta/professor de afectos/amante da vida... porque sim!)

Wednesday, October 08, 2008

Quando falta o chão...

Eras o esteio:
a morte sobreveio
dura
numa loucura
de outros
na estrada
molhada,
na ponte,
a alegria
estagnou.

Tomou
o teu lugar
o teu coração
a serenidade
do teu irmão.

Hoje faltou
o nosso chão!

Wednesday, October 01, 2008

A noite chegou mais cedo hoje!

No limiar da noite
adormeceu a tarde
na linha do horizonte
rosa-pálido ...

A noite chegou
mais cedo hoje
- ou foi ontem?
terá ocorrido
no ano passado?
não sei já,
o tempo corre
tão rápido
que o meu relógio
transtornado
não lhe segue o passo!

A noite chegou
mais cedo hoje
- ou foi a manhã?
não sei já,
ainda esta tarde
era criança
e brincava na praia
com a minha irmã
e esta noite
foge o sol,
secam as folhas
amarelecem as vidas,
perde-se a seiva...

A noite chega
cada vez mais cedo
num céu adamascado
de azul e rosa...
Espreitam os lobos
à espera da hora,
vão os javalis
beber a desoras,
estalam as folhas
sem energia,
os ouriços
engrossam
nos ramos
dos velhíssimos
castanheiros,
espinhosos
imitando sem jeito
certas rosas...

A noite chega
cada vez mais cedo
à hora do repouso
dos pássaros,
bate o coração
célere e louco
ao cruzar os caminhos
no lugar das alminhas:
um ramo de cravos frescos
enrolados na cruz...
e no cruzamento
pelo lusco-fusco
as almas penadas
desencaminhadas
procuram as rezas
no limiar da noite
em que a tarde
adormece
na linha do horizonte
rosa-pálido!

Friday, September 26, 2008

Manhã de outono

Que linda manhã:
a luz suave
o céu acetinado
o cheiro a maçã
a voar, uma ave,
pássaro endiabrado,
na árvore,
as folhinhas
ainda verdes
a dançar, a dançar,
atrás e adiante
muito devagar!...

Friday, September 19, 2008

Prémios: Dois em um!

Da TULIPA que se pode visitar aqui http://deabrilemdiante.blogspot.com/ e aqui http://momentos-perfeitos.blogspot.com/ recebi este prémio, que agradeço com humildade.
Pretende-se homenagear bloguistas pela criatividade, inteligência e cultura.
Nomeio
Andreia do Flautim
Fórum Cidadania
Papoila
A voz da romãzeira
Save by bell
... mas quem vier por bem, ficará nomeado automaticamente e leva o prémio consigo e divulga.

O mesmo para o seguinte (outro) prémio (via TULIPA, que é super-generosa) :Este propõe que
- se mostre o referido “galardão”, com o nome do blogue que no-lo ofereceu;
- se procure um mínimo de 7 Blogues ou sites que se ache que BRILHAM pelo tema ou pelo desenho;
- Citá-los na página com o link e avisá-los do prémio BRILLANT WEBLOG;
- pode atribuir-se o prémio a quem já o recebeu…
( este ponto vem mesmo ao encontro do que eu penso!)
Concluindo: nomeados todos que citei acima, mais a tulipa, mais aqueles visitantes assíduos e os menos que gostarem da ideia de lançarem a ideia na corrente da blogosfera… ( cada um – isto é da minha autoria também) fará o que entender com os prémios, até pendurá-los por cima da lareira).





À TULIPA: bem-hajas pelo carinho!

A quem está nomeado ( e eu ainda não tive tempo para avisar do prémio) , não se façam rogados, façam o favor de se servir...

NOTA: este post é de 23 de Setembro , mas não sei que deu ao meu pc que está maradinho por completo e anda com as datas trocadas, queria ficar no Verão!)

Nuvens

No céu encoberto
decerto
estupefacto
entre a luz do estio
e a sombra do outono,
o trovão num impacto
de eléctrico brilho
abre as entranhas
das nuvens estranhas
em chuva cantada
sobre a terra ansiosa
e o cheiro sempre novo
nunca esquecido
sobe do chão molhado
até à janela entreaberta...
o avô espreita e o milho dourado
volta a estender-se na eira:
foi só uma nuvem passageira!...

manhã de sol doce

com sabor a mosto

espraia-se no ar

o perfume das uvas

Tuesday, September 09, 2008

Vazio


Esta noite

sentei a minha alma

no cantinho do sofá

e para ali está

numa amorfa calma,
amarfanhou-se
toda a tarde em papéis
esvaziou-se de mim,
não tarda nada adormece,
arrefece
e eu adormeço
junto dela,
afasto-lhe os pesadelos
com as mãos, devagar,
aqueço
o seu alento,
lamento
este vazio...

Saturday, September 06, 2008

Reflexos

Vai ou vem

o rio pachorrento

tão lento

que não sei se anda

se está quieto;

a ponte

é uma varanda

e as margens

miragens

deste tempo

ou reflexos

de outro tempo,

registos perplexos

em vigília permanente
acima da corrente!



Sunday, August 31, 2008

Relógios


Está ali um relógio
a matraquear enlouquecido
tic-tac-tic-tac
um tempo irreversível
numa cadência sistemática,
matemática,
que entorpece,
só me apetece
parti-lo contra a parede
e ver o tempo
avançar comedido
e beijar cada segundo...

Saturday, August 30, 2008

Passeios


Espelho de água azul
na albufeira;
a descoberto,
as pedras-limite
de antigas leiras
desafogadas;
amieiros
delineando as margens
do ribeiro;
junto ao milho,
dálias;
roupa estendida
à beira do caminho;
rosas vermelhas
trepando o granito!

Saturday, August 23, 2008

Era o mar


Ao pôr-do-sol, ficávamos suspensos das cores do céu e do mar;
- nada nem ninguém entre nós e o céu ou o mar!-
mais tarde, só o mar percebia o imenso silêncio
desencadeado pela noite fora-dentro...
já as manhãs mansinhas entre neblinas transparentes
vinham fustigadas de ventos persistentes
até desaparecerem e os raios do sol bem quentes
incendiavam corpos e adormeciam princesas;
pelos areais sem fim, os minúsculos grãos de luzes acesas
deixam-nos sem fôlego de tão brilhantes e intensos;
magicamente, escapam-se por entre a areia espumas
brancas, leves e fofas e as ondas enredam-se umas
nas outras e desafiam-se em corridas e as águas
límpidas e frescas são pérolas a cantar a beleza;
fechamos os olhos no silêncio com mar em fundo e cheiro a maresia
e guardamos este verão em nós como um sonho ou fantasia...
....



Pelas praias belíssimas de Peralta, Val(e)mitão, Areia Branca, S. Bernardino, , Consolação
E agora ainda vamos dar mais uma voltinha ( lá para o nordeste); não tarda voltamos ao ritmo normal (?)...

Thursday, August 14, 2008





Marcas de passos impressos na areia,


vem uma onda devagarinho e faz umas cócegas


nas marcas de passos impressos na areia,


chega a sétima onda e apaga tudo!

Monday, August 11, 2008

Só mar


As gaivotas nasciam com o sol


- e durante todo o dia era o mar!


Punha-se o sol e recolhiam as gaivotas


deixando um perfume de silêncio


- e durante toda a noite era o mar!

Friday, August 01, 2008

Dias...



O varredor - bom dia!
anda a varrer a monotonia
junto às paredes!
Uma mulher à porta de casa
procura companhia
esfarelando miolo de pão:
as pombas correm em voo
aos círculos, pousam no chão, chia
uma dobradiça no primeiro andar,
e, sem se dar por ela,

fica sozinho um vaso de flores à janela!






Durante uns dias, estaremos junto a este mar...


Até logo!

Tuesday, July 29, 2008

Comente! faça um blogueiro feliz!


A campanha nasceu aqui
a bell encontrou a ideia aqui
e divulgou-a aqui
onde eu a vi e achei mesmo original,
por isso aqui fica mais um elo para a campanha seguir...
para sabermos o que pensa quem nos visita
para deixarmos uma palavra - não só visita silenciosa-
nos blogues que visitamos,
de apreço,
de apoio,
de desacordo,
de discordância...
para que não passemos - não passem-
indiferentes!
Para aderir à campanha, basta colocar o selo no blogue e comentar aqueles que visitamos.

Sunday, July 27, 2008

Desafio...inesperado

Desafiada pela Bell ( http://savebybell.blogspot.com/) a enumerar 8 coisas que gostaria de fazer antes de morrer, fiquei siderada com este desafio, se calhar, por ser Verão, estar um dia fantástico e não estar propriamente a pensar no assunto. Depois, a parte ainda mais difícil, nomear 8, logo 8! blogues para fazerem o mesmo...

1) gostava mesmo era de não morrer, isto é, sobretudo se me sentir bem , conseguir andar e estiver feliz ( sentir-me bem e estar feliz parecem sinónimos, mas não são bem a mesma coisa!);

2) como parece que o 1º item não pode ser por uma conjuntura extraordinária interplanetária ( dizem que sim, que um dia isso vai ser possível, mas já andam a pensar nisso há tanto tempo que não sei se alguém acredita!!!), então preferia não estar cá, quando "partissem" os meus familiares, em particular, os mais próximos e mais queridos;

3) depois, ( ou antes?), também gostaria de partir assim como se costuma dizer, como um passarinho, sem afligir ninguém nem sofrer;

4) muito antes disso, ainda tenho a árvore genealógica para acabar ( é um truque, porque , se uma pessoa quiser, nunca mais acaba!!!);

5) viajar, também quero viajar: ainda quero ir aos Castelos do Loire, a Israel, à Grécia, a Barcelona uma série de vezes por ano, etc... etc... e quero muitos Verões para ir à praia e muitos invernos para estar à lareira;

6) escrever um livro ( eu disse à Bell que a ia copiar!!!) , mas acho que, à falta de melhor, quero continuar a escrever neste blogue e no primo deste blogue, o das fotos e no terceiro, em que falo e falo ( quer dizer, escrevo!) e protesto e tenho a mania que faço bem em protestar!

7) quero ter direito aos rituais todos do ano, todos os anos, aniversários, natais e páscoas e carnavais, sempre iguais, as mesmas pessoas, as mesmas conversas, os mesmos risos;

8) quero sempre ao meu lado o meu companheiro e quero ainda ver a Princesa ser feliz todos os dias da minha vida!

Ficou muito confessional esta escrita... Paciência!

Agora, ( mas ainda não tínhamos respondido a este desafio???), aí vai esta "prenda" para:



Andreia ( com a sua música)
Belisa ( com as suas fotos)
Catarina de Bragança
Porca da Vila ( lá pela Braganzónia)
Carminda ( no Fórum Cidadania)
Esperança ( na Soma das letras)
Gaivota ( no seu mar e terra)
Papoila ( com os seus poemas)
Para finalizar, já toda a gente sabe que só responde ao desafio quem estiver para aí virado e, se estiver virado para outro lado, fazem muito bem...

Thursday, July 24, 2008

Tardes de Verão



Num voo raso sobre os telhados até à Sé


corre uma aragem calmante de verão.




Nas vielas estreitas onde quase se tocam as janelas


bate o silêncio num jogo de sombras e sol.




À porta de uma casa crescem mal umas flores tristes


dentro de um mal-humorado vaso de barro fingido.




Saturday, July 19, 2008

Volta das praias IV

As meninas crescem e, mães feitas,
levam à praia os filhos pela mão,
em Miramar, fingem que o mar
leva para longe as chupetas,
em Espinho, as crianças
aprendem a nadar,
na Granja, são incógnitos turistas
S. Martinho do Porto é revisitado,
impressa a baía na mente,
para sempre,
alargado o horizonte
até à Praia do Salgado,
as meninas crescem e brincam na areia com as suas crianças junto ao mar...

Volta das praias III

Lavadores, Vila Nova de Gaia
um areal intenso
imenso
entre o Rio Douro/Foz
e o mar sempre o mar...
as manhãs-cedo
e nós fomos senhoras de uma praia
até ao escurecer-dentroda noite...
fomos donas das primeiras neblinas dos dias
das espumas das ondas menos mansas,
fomos piratas escondidas nos buracos-cratera
abertos por máquinas-vulcões de arrancar areia,
fomos testemunhas extraordinárias de cada nascer do Sol
que ficavam até ao poente
a praia sem quase-gente
o mar contra as rochas
a embalar o sono e os sonhos,
o bacalhau a secar,
todo esticado e alinhado,
fomos testemunhas involuntárias
do rapaz envergonhado, a quem roubaram a roupa,
da menina que deixou a alma no mar e deu à costa
( ficou ali fria e triste, ninguém a veio identificar!),
fomos ouvintes divertidas das leituras que o pai lia em segredo à mãe
( o pai não sabia que as filhas liam tudo ao seu dispor
e que o "Crime do Padre Amaro" há muito não tinha mistério!)
- o pai, de pele sensível, fina e branca,
apanhou o maior escaldão da nossa história,
a mãe, de noite, a pé, foi aos 4 Caminhos, à farmácia, comprar "queimax"
e, durante uns dias, o pai não pôde calçar sapatos.
E, em noites de marés vivas, o sono demorava a chegar!...

Volta das praias II

(imagem da net)

Vindas lá do nordeste em comboio de máquina movida a carvão
até à Póvoa do Varzim
diante daquele mar sem fim
o avô e uma cesta de cerejas na estação
de Mirão
para refrescar
e, chegadas ao forte-colónia balnear,
ouviam-se as vozes infantis
em cantilenas pueris
e eram os cestos das merendas
e as corridas na areia quente
em felizes contendas
e os baloiços e a sensação de voar
e o baloiçar em altos voos
e ver acima da barra
como magia crescente
a imensidão do mar!

Thursday, July 17, 2008

Volta pelas praias


S. Martinho do Porto


vem lá de longe da infância


de começar a conhecer,


da noção de existir e ser,


vem de uma distância


até à Escola de laçarote,


de jogar como um rapazote,


de viver junto à desenhada


Concha inconfundível,


de nos escapulirmos a correr


para nos espantarmos


com a recém-chegada TV,


dos banhos no mar no Verão,


da praia a toda a hora,


do mar a entrar pela casa fora


no surpreso Inverno terrível,


os búzios, o cheiro a maresia,


o nascimento de uma irmã,


a praia vazia pela manhã,


a Mãe, tão jovem e linda,


um cágado no jardim, o perfume


das ervilhas de cheiro ainda,


as corda-de-viola ou campainhas


a saltar por todos os muros,


as mulheres de negro


noite dentro à espera


dos pescadores, homens,


filhos e irmãos, amigos,


em presságios cruéis e duros,


como estátuas doloridas,


a irmã cortou-se num pé


não pode andar,


está sentada, sossegada,


numa cadeira


e eu, à sua beira,


leio a história do José


do Egipto de fio a pavio,


o mar a marulhar,


em música de fundo.






Friday, July 11, 2008

Ideias dispersas

Nas ruas estreitas
As palavras caem das janelas à rua!
Muitas partem-se em cacos.
Outras, ficam no parapeito
poisadas
de peito feito
a ver quem passa!
Outras ainda
leva-as o vento
com o pensamento!...
E há aquelas
perdidas de loucas
que soam desfeitas
de boca em boca;
ou então, na tarde calma,
de tão perfeitas
chegam à tua alma,
enrolam-se em ti
e ficam até de madrugada!...


( Com a colaboração um tudo-nada involuntária, mas querida, da Carminda, Bell e Papoila!!!)

Thursday, July 10, 2008

ruas estreitas


Nas ruas estreitas
As palavras caem das janelas à rua!
Muitas partem-se em cacos.

Tuesday, July 01, 2008

Nada

A noite abraça o silêncio quedo
fecho os olhos - não sei nada!
nem palavra, nem medo,
nem sonho, nem segredo...

sem saber se durmo ou desperto
canta um galo doidivanas
na madrugada tão perto
de algum sítio secreto...

caminho sem sair do lugar
a uma luz azul sem túnel...

Sunday, June 29, 2008

Calor

A sombra abrasada pelo calor escorrendo das pedras ao sol


correu e colou-se às paredes de granito da Catedral...

Friday, June 27, 2008

Languidez

o corpo possuído de um torpor
a cabeça cheia de fantasias:
três meninas
dormindo a sesta
à sombra dos canaviais
o silêncio silenciado
rumorejam as folhas
longas nos milheirais
em sussurro segredado
a música das rãs e das relas
ao longe nas quelhas
sobem os pés de feijão
pelos caules do milho
cantarolando pelas levadas
chegam as águas apressadas
às plantas sequiosas
veio o avô à frente
enxada na mão
compondo os torrões
abrindo ou fechando o caminho
aproximam-se os passos
os socos de madeira calando na terra
ecoando na pedra
soluçam as folhas dos canaviais
cheira a calor e a malvasia
as três meninas acordam da sesta
chega a voz da avó
em requebros musicais
a chamar por elas
e tudo acorda
- as folhas do milho,
as canas a baloiçar,
as águas ligeiras,
as uvas, os figos,
o avô segue numa canseira,
a avó à espera,
as meninas escondidas
em grandes risadas
caladas -
tudo acorda numa festa
de Verão!...
ah quem dera
não fosse ilusão!
.......
o corpo possuído de um torpor
a cabeça cheia de fantasias:
por estes dias
andam três meninas
a rir entre os canaviais
e os avós
a vigiar!

Friday, June 20, 2008

Verão


um pardal

no canto do muro

um pardal

no fio do telefone

um pardal

espaneja as asitas

para se manter no ar

baixinho

um pardal

esconde-se

num buraco escuro

da parede abandonada

onde tem o ninho


papoilas

espalhadas

no meio do feno

papoilas

agarradas

às pedras

inclinadas

papoilas

à beira do caminho

Monday, June 16, 2008

a chamar o verão




a chuvinha chegou de novo cheia de surpresa
a joaninha vermelha às pintas pretas
abrigou-se no caule de um trevo de quatro folhas
escondido com sorte no meio das florzinhas silvestres
enquanto as gotas caíam em volta numa festa quase estival...

Saturday, June 14, 2008

Tarde




.........................................................................................
Está uma tarde de pássaros,


de sol morno,


de bola em jogo,


de estátuas de pedra...




Está uma tarde de alfazema,


de papoilas encarnadas,


de margaridas perdidas,


de rosas mimosas...




Está uma tarde de flores,


de tílias e sabugueiro,


de água do ribeiro,


- rasto branco de avião brinca no céu...-


- pardais na corda bamba dos fios aéreos ...




Ah!... Distraí-me!...


Ficou tarde!...






Tuesday, June 10, 2008

Sonhos


Há sonhos tão rápidos que até parece que nem aconteceram...

Saturday, June 07, 2008

breve apontamento de viagem

... e à noite
uma surpresa...
nos Mercat de les Flors
subiu à cena
Maria la Portuguesa...

Nota:
em Barcelona programas para a semana portuguesa... a propósito do 10 de Junho...

Wednesday, June 04, 2008

A arte do copianço...

Agora há tecnologias que transformam o copianço numa arte e deixam, como em todos os sectores da sociedade, os velhinhos canudinhos de letrinhas miudinhas e outras técnicas semelhantes completamente obsoletas... já nem é preciso entrar nas escolas, escalar muros e entrar na reprografia e encontrar o teste certo para levar e distribuir, quiçá, vender... ( calhava mal , quando se pretendia o teste de Latim e encontrava-se o de Química, mas isso era de somenos importância, valia na mesma, trocava-se com os colegas de Ciências... ( não calhava tão bem se o desvio fosse de exames e a minha irmã , a quem correra tão bem o examde de Ciências, teve que o repetir... com raiva!!!) pode-se ficar calmamente sentado no cantinho mais confortável de casa e entrar em qualquer computador em rede... e, sem riscos de partir o pescoço ou uma perna, aceder com tranquilidade aos dados... há outros gadgets ( andava mortinha por empregar esta palavra!!!... emobra nem seja especialmente interessante e me lembre um boneco qualquer animado... e acho que já alguém disse isto algures!) que copiam as pergunats, enviam-se via telemóvel e recebe-se de volta a resposta sem estardalhaço... há outros sofisticadíssimos dignos de detectives do futuro que se transportam sem (grande) perigo de detecção , lê-se a pergunta num sussurro (quase) inaudível e recebe-se a resposta por áudio... e isto é uma pequeníssima amostra... e não dá trabalho, nem sequer o trabalho de ter que estudar ao fazer o copianço , o que é uma mais valia para preguiçosos-mor... Assim, nunca aconteceria aquela história , em que a colega da minha irmã, sempre atida às respostas em papel, passadas com grande risco em plena prova, lhe pedisse de mãos erguidas, depois de lhe agradecer a camaradagem: "por favor, não me passes as respostas em papel quadriculado... "
Custava mais a engolir ... por causa da tinta...

Saturday, May 31, 2008

Um pássaro


Um pássaro
camuflado
sorridente
quieto
entre a primavera...
...
uma nuvem cresce
negra no céu aterrado
por trovoada estridente
sobre o telhado...
...
em orgasmo diluviano
rebenta a escuridão
em chuva e granizo
descendo a rua
em cachão...
...
o pássaro pressentiu o perigo
e sem aviso
procurou abrigo.
Não sei onde.

Saturday, May 24, 2008

Maio



Um som ...
como grãos de milho
a cair sobre o lajedo da eira!
Olhei:
pérolas brancas de granizo
saltitam sobre a calçada!
Em volta, explode
uma girândola de cores
em rosmaninho e alfazema,
numa embriaguez de água
e, planando no céu
rodando sobre a terra
voa um peneireiro
enfeitiçado!

Seis ódios de estimação

Desafia-me o Nuno R. ( no link nunoresende) do OBLIVIÁRIO a apontar 6 ódios ( “não-amores”) de estimação/pequenos ódios/ódios de estimação.
Aí ficam numa penada para não pensar muito neles que trazem fluidos negativos.

1. o poder dos governantes ( em particular, quando se esquecem das pessoas que os elegeram , aliás, logo que tomam o poder e esquecem tudo o resto);
2. o poder dos fracos ( quando chegam a ter algum esporádico poder);
3. o trio maravilha do ME ( humilhou – e continua – os professores que tutela como nunca ninguém fez publica e repetidamente a nenhum profissional; só percebi realmente o que era ódio, quando fui confrontada sucessivamente com a desfaçatez e despautério deste ME!)
4. a má educação ;
5. a ingratidão/ a traição;
6. a inveja ( aquele sentimento “tão português” – não é a saudade, não! - dos portugueses que nem fazem nem deixam fazer e, se alguém se atreve a fazer, são demolidores nas críticas!) / a hipocrisia.

E mais fica por dizer…

Espero que alguém tenha paciência para seguir a corrente de entre os nomes que indico. Como sempre, com plena liberdade de não “seguir a corrente” que faz sempre bem à alma. ( bem quero poupar algumas pessoas... mas sempre repito ... desculpem! )

Carminda ( Fórum cidadania)
Catarina de Bragança
Kalinka
Kaotica
Papoila
Save by bell

Thursday, May 15, 2008

Mensagem brevíssima


Magiquei tantos dias à procura de uma prenda original, uma surpresa...

Agora, a prenda chegou. Recebeste-a e ficaste feliz.

Hoje não preciso de saber mais nada: e fiquei sem palavras!

Sunday, May 11, 2008

Oração

Nas serranias
verde
tudo verde
e o coração
feito de amarelo-flor-de-giesta;
no vale
verde
tudo verde
salpicado
de vermelho-cereja;
lugares
onde a alma
se ergue
em oração...

Sunday, May 04, 2008

A Minha Mãe


A minha Mãe
tem os dedos enrugados e os ossos dos dedos deformados …
quando olho as suas mãos com os dedos enrugados e tortos
lembro os momentos em que ainda sem eu saber, ela as gastava
se gastava nas hortas nas regas à volta das batatas das favas
lembro as manhãs as tardes geladas nos tanques das “nossas” casas
onde lavava a roupa na água fria cada vez mais fria
e as lareiras e as simples máquinas a petróleo e os fogões
e os tachos e as panelas num virote a toda a hora
e a máquina de costura singer e uma bainha por coser
e a solidão quotidiana e a dureza das horas a correr…
resgato dessa longínqua melancolia e rudeza
a presença do mar num desatino de água e de praia e sol
as garridas ervilhas-de-cheiro e corolas azuis sobre o muro
a lareira acesa, a neve a cair até toldar o entendimento
as laranjas, as frieiras, o pó de Maio, a carqueja,
as procissões, as flores atapetando o chão da rua,
os quintais , o comboio, as viagens de cestos e malas,
a casa dos avós num mundo de completo desprendimento,
o Douro lá em baixo, o miradouro ds Gravotas,
as nêsperas, um pássaro ferido, os sonhos…
A minha Mãe
tem os dedos enrugados e os ossos dos dedos deformados:
foi assim que, ao lado do meu pai, Ela escreveu,
mal sabendo escrever, a vida dela e a nossa …

Saturday, May 03, 2008

6 coisas que não me importam

Convidada por SAVE by BELL a indicar "6 coisas que não me importam" e a passar a corrente a 6 outros bloguistas, uma pessoa fica assim tipo em choque… porque a inspiração para pensar não anda lá assim muito famosa. Mas por amizade…

E um desafio destes assim de repente… há tanta coisa de que não quero saber… podia copiar, mas já não tinha tanta graça…

Telemóvel – não me importa nada , ( eu sei, não me gritem , não é nada normal!!!) fica em casa , calmo, sossegado, a maior parte das vezes, desligado e só adquire importância para receber um toque da Princesa… mas tem a importância de um telefone fixo… o pobre!!!

Maquilhagem – maquillage ( muito mais suave em francês) – não tenho paciência, nem tempo, nem jeito… o que , se calhar , é mau , visto que , muitas vezes, podia disfarçar o ar de espanto ou de desilusão em certas circunstâncias, para já não falar, do ar doentio, por não ter dormido bem ou de fastio, quando andamos mesmo sem pachorra…

Cerveja – não me importa mesmo nada, porque não gosto do sabor nem do cheiro… olho para o ar embevecido e satisfeito com que muitos pegam naquele copo diferente ou numa caneca desse líquido, por acaso, lindo e amarelo-aveia, numa esplanada no Verão e não quero mesmo saber. A única vez que me atrevi a provar uma coisa que tinha cerveja foi na fábrica da Kronenbourg, em Estrasburgo e andei com azia o dia seguinte inteiro. Valeu-me a O. que ia prevenida com umas pastilhas para esse efeito… da azia. Inclino-me mais para um bom vinho do Douro e uma “Quinta das Pedras” ( Alvarinho) não me dá nem uma aziazinha pequenina nem nada…

O que os outros dizem – como dizem nuestros hermanos, “quem se importa com a vida alheia, não tem a sua vida cheia” !!! Eu quero lá saber… além do mais, digam o que disserem, nunca ninguém me ajudou a resolver a minha vida… ( a família muuuuito chegada não está metida neste lote!)

Grandes vivendas, grandes máquinas, grandes manias – ainda por cima , custariam muito a limpar, a “alimentar” e a manter… pois, se calhar sou parva, quereria dizer que era multimilionária e tinha muita gente a trabalhar para ter tudo em ordem e até para me vestirem e “enjoiarem”, mas, como prezo a minha vida simples e pacata e privada… não dava jeito nenhum…

Cargos, honrarias, show-off – coisas supérfulas aliadas às anteriores, tudo me passou /passa ao lado sem nenhuma ralação nem inveja. Não estava no destino, no acaso, na escolha de quem pensa de forma independente e não quer nem sabe nem gosta de “engolir sapos”…

Se estiverem pelos ajustes, passo a palavra a:
Andreia do Flautim
Carminda (fórum-cidadania)
Gaivota
Papoila
Sophiamar
Vareira

Se cortarem a corrente, fiquem a saber que isso não tem problema nenhum… outra coisa que não importa…

Thursday, April 24, 2008

Com sabor a chuva

Pus-me a contar os riscos da chuva
a bater nos vidros da janela
até formar uma corrente
descendente…

olhei para lá do verde e do longe
e dei comigo na terra da infância
qual proust a provar a madalena
recupero o sabor desafiante
do pão centeio com travo escuro
numa terra de arribas de um belo horrível
onde nas escarpas ainda vivem águias
e onde no remanso do rio cresciam laranjeiras
e as laranjas sabiam a mel e a sossego
e fazia frio um frio tão nítido
que ainda hoje se instala em mim
a cada Inverno que passa
numa terra em que o frio era tão branco
que nunca mais vi um branco igual
à brancura daquela neve intacta…


e quando o sol voltar a terra vai mudar
e chega-me um mar de recordações
com cheiro a maresia que entra na barra
e percorre a baía –concha
e sobe dos canteiros o perfume
a ervilhas de cheiro coloridas
e eu tenho tranças…

Parou de chover!

Wednesday, April 16, 2008

Desencontros















..............................................
................................................

Um galo desatinado

sem desafio

canta a horas extemporâneas

e os pardalitos pequenos


riem aos saltinhos

dos amores desperfeitos

pela paixão da chuva!



Thursday, April 10, 2008

Antes da chuva


Antes da chuva

a árvore

vestiu-se de noiva

com saudades

da neve!

Saturday, April 05, 2008

Um ninho


uma árvore
aninha nos seus braços fortes
uns rebentos frágilmente verdes
e vela por eles
como se fossem pássaros...

Thursday, April 03, 2008

manhã

manhã ensolarada subindo as escadas des-coor-de-na-das ninguém nas vielas sozinhas o chão granitado em lajes frias jovens esboçam janelas sentados nas escadinhas da Sé o caminho vazio no café dois dedos de conversa o mundo parece parado e o sol tão macio...

Monday, March 31, 2008

Insónia


























às voltas na cama
enrodilhadas as ideias
aos lençóis
embrulhados de um lado para o outro
o copo branco de leite
as páginas do livro aberto
as imagens tolas da tv
as ideias enroladas
num sono desconjuntado
o copo de leite
da noite em branco
as páginas do livro
adentradas na noite
as imagens da tv
plasmadas de insónia
as ideias a tremeluzir
dentro de um sonho
o começo o fim
não fomos beber um copo
como se fôssemos eternos
e o tempo infinito
e existissem sempre amanhãs
agora já não temos tempo
o rio chegou à foz
e as águas enredaram-se
noutras vidas já idas
e as ideias enrodilham-se
sem parar entre os lençóis
e o copo do livro parte-se em páginas
brancas e escorre da tv em imagens
incompreensíveis e pardas...


Amândio Costa,
Auxiliar da Acção Educativa da Escola do Ensino Básico dos 2º e 3º ciclos de Santa Clara da Guarda, aposentado, o Ti' Amândio, faleceu ontem.

Wednesday, March 26, 2008

Tempo de (matar) saudades



foi o tempo de
um sopro
uma aragem
uma paragem
uma giesta em flor
um floco de neve
uma pedra de granizo
um carinho
um abraço
uma palavra
um gesto
chegaste


no tempo de
um sorriso
e partiste


como brisa
de saudade!

Friday, March 21, 2008

Aleluia


Apesar
Das nuvens escuras
Da chuva
Dos entraves
Das traves
Dos muros caídos
Dos muros levantados
Do arame farpado
Do céu enevoado
Das sebes altas
Das curvas da estrada
Da voz embargada
Da pedra no caminho
Da pedra no sapato
Das ambiguidades
Das duplicidades
Do golpe de vento
De falta de sorte
Do desnorte
Da dentada na maçã
Da maçã envenenada
Dos amores desfeitos
Dos amores contrafeitos


Ri uma flor escondida num recanto
Floresce o sol acima das nuvens
Sobe o riso cristalino das águas
Em nome de um amor por descobrir……

Wednesday, March 19, 2008

Pais


Então por que telefonas , minha filha?
E ri num riso comovido ao lado da minha Mãe não espera resposta:
porque inventaram este dia para todos se lembrarem dos Pais mais um bocadinho
e acha bem e ri de novo, pergunta pela saúde de todos;
espera pela outra filha para almoçar
e outra filha mais logo vai telefonar...
chegou de uma consulta, o médico diz que está FORMIDÁVEL para a idade
e bem disposto distribui beijos para todos e eu desligo a rir ...

Friday, March 14, 2008

Primavera


O sol

floresce

na flor amarela

do tojo.

...



A urze

canta

em verso rosa

a primavera.

...



Espantalhos

bem vestidos

passeiam

cores do campo

e descem

às cidades.

Thursday, March 13, 2008

QUADRAGÉSIMA.COM

O amigo Ernesto Feliciano do blogue, lançou-me este desafio já há alguns dias. Um desafio muito original. Só não respondi mais cedo , porque tenho andado com pouca disponibilidade de tempo e de espírito, pelo que peço desculpa. Por ter tido a honra da nomeação, agradeço. Embora não sendo praticante, não podemos esquecer a nossa cultura e princípios católicos e as nossa raízes judaico-cristãs.



QUADRAGÉSIMA.COM

Regras da quadragésima.com:

1- Ao receber a quadragésima.com o blogger deve reflectir na sua relação com Deus e descobrir uma frase, bíblica ou não, que a defina;

2- Depois de o fazer deve reescrever num post estas regras, as frases já assinaladas pelos anteriores bloggers (com o respectivo link), e escrever a sua;

3- No post deve incluir quem deseja convidar (pode e deve manifestá-lo no blog da pessoa convidada);

4. Não é permitido fazer mais que um convite ao mesmo tempo;

5- O blogger que, recebendo a quadragésima.com, não estiver interessado em aceitá-la, deve indicá-lo ao seu emissário para que este lhe dê seguimento através de outro blogger;

6- Não podem aceitar mais que uma vez a quadragésima.com; se o convite aparecer, mesmo vindo de outra diferente, devem igualmente informar o emissário do segundo convite;

7- A quadragésima.com realiza-se em 3 frentes: frente Deus-Pai; frente Jesus; frente Espírito Santo; estas frentes funcionam quase como equipas, para tentar chegar ao maior número de bloggers possível (não se trata de encontrar vencedores, mas empenhados)

8. A quadragésima.com será encerrada na Sexta-feira Santa, dia 21 de Março, pelas 12.00 horas, hora em que o último blogger receptor deve endereçá-la, já com a sua frase, a este endereço, para publicitarmos todas as frases que definem a nossa relação com Deus nesta Quaresma de 2008.

A frase que escolho é :
"E pelo que haveis de vestir, por que andais ansiosos? Olhai para os lírios do campo, como crescem; não trabalham nem fiam; contudo vos digo que nem mesmo Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles."Mateus 6.28 e 29




E para continuar esta frente de Jesus, escolhi a amiga Carminda Pinho do blogue Forum Cidadania.



Resta-me acrescentar que a frente de Jesus, veio da Lisa, do blog Lisa's Mau feitio para a Amigona do blog Instantes da Vida que a passou à Sophiamar do blog A Ver Mar.

Daí transitou para o José Gonçalves do blog Por Entre Montes e Vales, que a passou a Elvira do blog 6ªFeira, que passou para a Aramis, que passou para o Ernesto do blogue S. Martinho do Porto ( “Pedi e dar-se-vos-á; procurai e encontrareis; batei e abrir-se-vos-á.” Mt 7,7 que, por sua vez, o remeteu a mim.

Sunday, March 09, 2008

Recado


O teu espírito


pairava sobre nós


quando o silêncio

gritava a uma voz


as almas magoadas


quando cada passo


caminhava sereno


vestido de negro


quando a garganta


amarrada em lágrimas


sufocava os olhos.


O teu espírito


pairava sobre nós


na força da nossa voz...

Friday, March 07, 2008

Pela dignidade de ser professor

8 de Março
Lisboa, Marquês do Pombal
14 h 30m
MARCHA DA INDIGNAÇÃO

Tuesday, March 04, 2008

Hoje é o dia dos teus anos, mana do meio


Quando pensamos naquele dia - um dia como hoje há x anos! - o pai e eu pensamos numa moreninha... acabadinha de nascer, entre as dobras do lençol branco... como não tive muito tempo, recupero o post já republicado no ano passado... por falta de tempo ... e recupero a foto...


Hoje é o dia em que, todos os anos, mesmo depois de tanto ( ou tão pouco?) tempo, recordo sempre com uma ternura intensa aquele rosto moreninho entre lençóis brancos e, como num clique, vêm à memória imagens e momentos de uma vida!!! … uma praia imensa, só para nós, de Verão e de Inverno, numa baía em forma de concha que vim, mais tarde, encontrar, com espanto, nos livros de Geografia… um livro pequenino, fininho, maneirinho que ainda hoje possuímos que falava da vida do José do Egipto e de sonhos, muitos sonhos misteriosos, .. as fugas para ver a Amália cantar o fado numa televisão, a preto e branco, outro objecto encantado na época, que até se via perfeitamente uma mosca passear no xaile da fadista, …a mudança da praia para a terra, no interior junto ao Douro, gelada, no Inverno de neves abundantes e com um pão de sabor estranho, e de laranjas doces no Verão ardente , … as cambalhotas no ferro do portão da D. Emilinha, …o nascimento da mana mais nova, outro mistério cheio de silêncios e deslumbramentos, … e outra mudança e novas vivências … tantas mudanças e lembranças e vivências diferentes que devíamos ter ficado traumatizadinhas de todo, à luz das psicologias actuais, e nada , cá andamos inteiras por estas andanças da vida… até sobrevivemos aos exames ( alguns até repetidos pela morenita, devido à esperteza de jovens “ inteligentes” de esperteza saloia , por casualidade da terra onde agora vivo, que roubaram e venderam uns tantos exames) e – concluo, por hoje, estes “ recuerdos” com esta nota pitoresca que o dia tem tido o céu bastante cinzento e de “cinzentura” chega - … recordando aquela noite de piquenique de suspiros grandes lindos e dulcíssimos em que nos embebedámos de risadas abafadas e de chá sem açúcar …Ah! Também ninguém acredita – como a memória é curta e o tempo passa depressa ou vice-versa!!! – que este dia foi já feriado nacional para comemorar a data de nascimento do Infante D. Henrique , o da Ínclita Geração …






Saturday, March 01, 2008

Árvores





Árvores...

braços ancorados no céu

beijam o sol

no torpor da Primavera

uns nus despidos e secos

outros enfeitados de flores

rindo da surpresa...