Friday, October 24, 2008

Palavras soltas à volta de um castanheiro


vendaval de desesperança
bonança
limpidez do ser
céu azul
nas entrelinhas tresler
linha perpétua
desesperada a régua
no horizonte longínquo
rosa oblíquo
sem chegada sem partida
despida
viagem adiada
palavra nada inspirada
desfeita em acrónimo
de despoeta anónimo
no castanheiro
o primício
ouriço
inteiro
inflecte
reflecte
cai ou não
introspecção…

5 comments:

gaivota said...

os castanheiros são lindos
o fruto dentro do dito ouriço, é verdade, estamos no tempo delas,
quentinhas, cozidas, assadas ou fritas, em puré, hummmmmmmmmmmm
beijinhos

o escriba said...

rendadebilros

Que linda árvore é o castanheiro! Nós não as temos por cá, só as castanhas assadas na brasa.

Bom fim de semana
bjs
Esperança

Carminda Pinho said...

Renda,
nem a propósito. Tu aqui a palavrejar à volta do casanheiro. Eu, gulosa, só me lembrei de comer os seus frutos.
São assim os estados de alma...

Beijos

tulipa said...

É verdade, já estamos no tempo das castanhas, que bem que sabem!!!

Convido-te a vires comigo até ao Porto, visitar um dos ex-libris da cidade Invicta.

Recebe pétalas de tulipa impregnadas de abraços.

Andreia do Flautim said...

Ja comia umas castanhinhas assadas!