Saturday, December 06, 2008

Nem sei se é noite se é tarde se escuridão simplesmente

A lareira brilha
esconde no fogo
a tarde escura
fora de portas
e a triste chuva
cai-sem-cair nem
sabe se é chuva
a televisão em ponto
morto em música
repetida e lenta
a roupa sobre a tábua
lisa e pachorrenta
o ferro sobre a roupa
passa-que-passa
pára e repassa
a cabeça na lua
jornais caídos no sofá
revistas fechadas
num canto esquecido
livros lidos nunca-lidos
talvez-lidos repetidos
um-dia-hão-de ser-lidos
lidos repetidamente
nos mesmos capítulos
as fotos nas molduras
de sempre-para-sempre
o quadro das mulheres
com cores imaginárias
os bibelôs barrigudos
em estantes de granito
a lareira o único grito
de calor de luz e vida
a mão agarra o ferro
sobre a roupa sobre
a tábua tão quieta
a lareira quente
e desperta...

1 comment:

bell said...

É este tempo que nos deixa tristes. O tempo e as tarefas rotineiras. Hoje, para mim, foi dia de preguiça. Também faz falta.