Saturday, May 31, 2008

Um pássaro


Um pássaro
camuflado
sorridente
quieto
entre a primavera...
...
uma nuvem cresce
negra no céu aterrado
por trovoada estridente
sobre o telhado...
...
em orgasmo diluviano
rebenta a escuridão
em chuva e granizo
descendo a rua
em cachão...
...
o pássaro pressentiu o perigo
e sem aviso
procurou abrigo.
Não sei onde.

7 comments:

bell said...

Até os pássaros estranham este tempo... Junho está aí e parece Fevereiro.

Bom fds!

o escriba said...

rendadebilros

A Primavera tem-se esquecido dos seus arautos.Anda confusa e confunde os seus amigos. Aqui nas minhas bandas algarvias, vêmo-los saltitar de árvore em árvore ou procurando o seu alimento durante as manhãs de sol intenso e ceú azul. Mas depois vêm as nuvens ameaçadoras e o vento que lhes dá cobertura e os amigos de asas procuram a protecção das folhagens.
E o seu poema que bem que o ilustra.

bjs
Esperança

Papoila said...

Querida Renda:
Que tempo este tão invernoso que assusta os pássaros.
O teu poema, como sempre um flash em palavras.
Beijos

Carminda Pinho said...

Renda,
custou a encontrar, o pássaro. Mas depois de aumentada a fotografia lá estava ele quietinho, com medo da trovoada.
Esperemos que Junho nos traga o sol, para nos alegrar a vida.

Beijos

Andreia do Flautim said...

Já ouço passarinhos hj!

Carminda Pinho said...

Então a menina tem as árvores cheias de cerejas e não as come?
Ai que nervos!!! e elas aqui, a 8€ o kilo!!!

Beijos

mundo azul said...

Bonito o seu poema!!!
Beijos de luz e um ótimo final de semana...