Sunday, October 12, 2008

Meu país desgraçado... - Sebastião da Gama

Meu país desgraçado!...
e no entanto há Sol a cada canto
e não há mar tão lindo noutro lado.
Nem há céu mais alegre do que o nosso,
Nem pássaros, nem águas…

Meu país desgraçado!...
Por que fatal engano?
Que malévolos crimes
teus direitos de berço violaram?

Meu Povo
de cabeça pendida,
mãos caídas,de olhos sem fé
- busca, dentro de ti, fora de ti, aonde
a causa da miséria se te esconde.

E em nome dos direitos
que te deram a terra, o Sol, o Mar,
fere-a sem dó
com o lume do teu antigo olhar.

Alevanta-te, Povo!
Ah!, visses tu, nos olhos das mulheres,
a calada censura
que te reclamam filhos mais robustos!

Povo anémico e triste,
meu Pedro Sem forças, sem haveres!
- olha a censura muda das mulheres!
Vai-te de novo ao Mar!
Reganha tuas barcas, tuas forças
e o direito de amar e fecundar
as que só por Amor te não desprezam!


( hoje excepcionalmente, a voz ao poeta/professor de afectos/amante da vida... porque sim!)

6 comments:

Carminda Pinho said...

O teu "grito" chegou até aqui, Renda.
Excelente poema do professor/poeta que tão cedo nos deixou.

Beijos solidários.

Andreia do Flautim said...

Pois é um grito com muita razão!

gaivota said...

eu acompanho esse grito com toda a alma!
excelente, poema fantástico!
parabéns ao prof, sempre e obrigada pela homenagem que deixas
beijinhos

o escriba said...

rendadebilros

Pois é um grito muito pertinente e bem actual!!!

bjs
Esperança

Papoila said...

Querida Renda:
Tão actual este grito do professor poeta que nos deixou tão cedo.
Muito bem escolhido!
Beijo

tulipa said...

Fui ao Porto
o tempo voou
a chuva não ajudou
mas eu senti o Outono
pelas ruas da cidade.

Arrastava folhas secas
e eu soube
que tinha chegado de mansinho
para não assustar ninguém.

Pombas nas árvores
escondidas
cores vivas nos ramos;
Trazia memórias
de céus carregados
de nuvens.
Foi bom...eu adorei!

Bom domingo.