Saturday, June 16, 2007

Desafio sobre ... leituras

Céu cinza. Cai uma chuva bem chovida, vinda das nuvens, chega em linha recta e abundante . Fundo musical suave. Bom momento para folhear livros. Para responder ao desafio proposto por BELL.
É um risco. Eu nem sequer releio livros por completo. Revisito-os, nunca para os ler de novo inteirinhos. Aliás, acho que nunca os leio inteirinhos. Salto linhas e páginas, tenho a certeza, porque, quando leio mais tarde algumas dessas páginas , nem sempre me recordo delas. Ou então sonho, muitas vezes sonho o que não está lá escrito. Outras vezes, invento filmes na minha cabeça, por isso , é raro gostar dos filmes que aparecem supostamente baseados em tal ou tal obra. Podem até ser muito ricos e espectaculares, mas não têm as cores que lhes dei, quando os li aos quinze anos ou à beira-mar ou na época em que um livro acompanhava a minha sombra para todo o lado, até enquanto comia ou em qualquer outro momento. Nem as personagens surgem iguais às minhas imagens. Quase sempre são uma desilusão.
Portanto, não releio livros. Acontece que há uns tantos que me perseguem, que me seguem, mantêm-se sempre debaixo de olho, à mão de semear, por razões variadíssimas. Nem sempre são os melhores livros daqueles autores, nem sempre são os melhores de ninguém, mas ficam-se por ali, a pairar , a jeito de se abrirem facilmente.
Agora, lendo melhor o que a BELL escreveu no seu desafio, eu devo indicar os 5 livros lidos ultimamente, não têm que ser os relidos… que eu vou indicar a seguir … sem mais, assim tudo misturado, com natas brancas bem batidas, os que foram lidos em último lugar, os que vão sendo relidos, os que andam por aqui… e não garanto que a ordem foi esta:

AS PEQUENAS MEMÓRIAS, de José Saramago
Porque eu também me ponho a recordar tempos de antes …

A CATEDRAL DO MAR, de Ildefonso Falcones
Porque, ao visitar pela primeira vez Barcelona, considerei uma boa opção.

INÊS DA MINHA ALMA, de Isabel Allende
Porque já lera outros da mesma autora e fiquei curiosa e quis saber como abordaria um tema histórico …

À PROCURA DE SANA, de Richard Zimmler
Porque li tudo o que ele tem escrito, comecei a “segui-lo” desde “O Último Cabalista de Lisboa”.

D. PEDRO I , de Cristina Pimenta
Porque a lenda de eternos amores deliciam-me…

… e dos que andam sempre debaixo de olho, podia dizer Miguel Torga, Eça de Queirós ( não tenho culpa nenhuma que este senhor tenha resolvido um dia descer do comboio e ir até Tormes, Santa Cruz do Douro, terra natal do meu avô materno e dos avós dos seus avós…), Fernando Pessoa ( sei que é muito corriqueiro, mas que hei-de fazer?) , Jacques Prevert, Albert Camus e ainda “ O Homem que se tornou Deus” de Gerard Messadié, “O Testamento de Noé”…





O complicado destes desafios, nem é sequer aceitá-los , é a obrigação relativa de indicar cinco pessoas a quem passar a palavra e , se estas correntes, que se estão a expandir, vão continuar e aumentar , vamos deixar de ter paciência para isto… portanto, e, apesar de…, passo o desafio a:

Vozdaromãzeira
O Sino da Aldeia
Bragazónia
Kaótica
Papoila

Claro que ninguém tem de me seguir . Cada um pode ir perfeitamente e, por esta ordem, ir de preferência, deleitar-se a ver crescer a romãzeira, mandar-me ir perceber se o sino toca lá na aldeia, enviar-me a passear pelo Parque de Montesinho, dedicar-se a divulgar a sua luta pela Escola Pública ou escrever poemas deliciosos…


9 comments:

bell said...

O desafio era dos livros lidos, eu é que que fiz dos relidos porque não tenho lido livros novos! Não tenho remédio, nunca sigo à letra as regras dos desafios! eheh

Dos mencionados, apenas conheço Inês da Minha Alma. Recebi-o no Natal e ainda não o reli.

Também adoro Isabel Allende e Eça de Queirós, Saramago às vezes, Pessoa (mais Alberto Caeiro) e uma infinidade deles... Ah, houvesse tempo para ler tudo!

J.G. said...

RENDA:

Em primeiro lugar o meu muito obrigado por te lembrares deste simples escriba, mais escriba simplório do que leitor regular de livros inteiros.
Sabes a minha posição relativamente às "correntes", apesar desta versar a leitura.

Adorei a tua introdução. Honesta, sem armar aos cucos, sem puxar dos galões de licenciada em Romãnicas, não?
Quem mais e melhor lê, normalmente, são pessoas como tu.
És uma senhora!

Um abraço e muito obrigado uma vez mais.

Papoila said...

Querida Renda:
Uma belíssima corrente esta da leitura.
Por acaso todos os meses faço um resumo do que vou lendo ... lol... escolho um dos muitos que li ou reli no mês anterior. Estamos quase a chegar lá...Pode ser?
As correntes perseguem-me e eu costumo dar continuidade... estava em dívida com o Cupido...lol...
Beijos

Meg said...

Renda, hoje é prato forte. Se gostei...
E agora quero que saibas que viraram o país de pernas para o ar.
Está frio, chove, está escuro...
Na segunda quinzena de Junho.
Um abraço fresquinho

Papoila said...

Renda!
Aqui de novo para avisar que o cupido te flechou lá no campo...
Beijos

Osc@r Luiz said...

Quando não me delicio com a mais pura poesia, aprendo belas lições sobre a cultura portuguesa.
Desta vez não foi diferente.
Sempre vale a pena passar por aqui.
Mesmo quando calha de eu não comentar.
Um beijo e um bom final de semana!

Carminda Pinho said...

Pois é Renda as correntes...
Se quiser fazer o favor de passar pelo meu sítio, há lá uma surpresa para si.
Bjs

Kaotica said...

Já vou tratar disso o melhor que souber, mas olha que eu avisei-te lá no Pafuncio que não era a pessoa indicada.
Um abraço e bom Domingo!

Osc@r Luiz said...

Amiga querida,
Não tive o menor sentido de humor no meu comentário.
É expressão, às vezes fria, por falta de olhar nos olhos, da mais pura verdade, da maneira que consigo expressar.
Tenho um imenso prazer em visitá-la.
É algo mágico que me traz até aqui.
Um impulso advindo da certeza que daqui saio sempre, pelo menos um pouquinho melhor do que cheguei.
Nunca foi diferente.
Um grande beijo!