Wednesday, October 10, 2007

Inutilidades

Das grandes janelas

luminosas e antigas

apetecia o sol

e a tarde majestosa
que corria calma;

sobre as mesas amarelas

papéis fastidiosos

amarfanham a alma
e toldam o entendimento
esgotam a energia
e a alegria da hora
que avança
e os ramos entrelaçados
das tílias lá fora
sussurram segredos
suavemente encantados...

9 comments:

TINTA PERMANENTE said...

Há desenhos, cores, silhuetas e aromas a desprenderem-se das palavras e tornam parodoxais todas as inutilidades...
Digo eu!
Abraço.

bell said...

Que feliz deves ser com vizinhas tão perfumadas a encantar-te os dias!

Papoila said...

Querida Renda:
è tudo tão belo as velhas janelas iluminadas a tarde calma a luz, o verde das tílias que os papeis são mesmo secundários. Lindo!
Tílias... Felizarda!
Beijos

Carminda Pinho said...

Este país está cheio de inutilidades. O que nos vai valendo é a paisagem, são... "as tilias lá fora susurrando segredos suavemente enncantados..."
Beijinhos

Andreia do Flautim said...

Olá!

Um bom dia para ti!

J.G. said...

Que me importa o inútil
Se mexem as folhas
E me abraçam as tílias
Em negaças ao sol
Que me importa o papel
Se ao vento me dou
E é ele quem transporta
A minha canção

Para ti, Rendinha. É pouco mas de boa vontade.

Um abraço.

Carminda Pinho said...

Olá amiga Renda!
É isso aí, a música também transmite o nosso estado de espirito. Ainda bem que gostaste.:)
Não te esqueças de sorrir sempre, mesmo às "inutilidades" que nos tentam amargar a vida.
Beijinhos.

Entre linhas... said...

É o triste país que temos,uma verdadeira Républica das bananas...
Bjs Zita

Meg said...

Renda,
Com a alma amarfanhada, e não só por inutilidades...
Sem tílias lá fora a sussurrarem segredos
Como eu gostava de partilhar, hoje, esse teu estado de espírito!

Um abraço amigo