Friday, October 19, 2007

No alto



A Torre


no alto do Castelo

na foto parece inclinada

tem graça

nunca tinha reparado

a Escola

ao lado

bem lá no alto

não admira nada

que a cabeça pareça

desanuviada

mas ande atarantada

com tanta papelada

valem as janelas altas

abertas para a lonjura

que entra pelas salas

dentro mesmo sem ser

convidada.

8 comments:

Meg said...

Renda, os papéis este ano foram um problema complicado, pelo que vejo.
Mas sublimas a "coisa" e fazes um poema. Sim, senhora, assim é que é.
Beijinhos

Carminda Pinho said...

Renda,
a torre parece de facto inclinada, ou é ilusão óptica ou é a fotógrafa que já anda de lado (com o peso dos papéis) Ahahahahah!!!
"Janelas altas abertas..." para deixar entrar o cheiro das tílias que estão mesmo ali ao lado.:)))
Beijinhos

Papoila said...

Querida Renda!
A lonjura que entra pelas janelas altas mesmo sem ser convidada... A torre inclinada e a escola... Ai a Guarda... a Guarda...
Lindo!
Beijos

Sophiamar said...

E aqui ao meu lado tenho um Manuel que frequentou há muitos anos essa escola, o então Liceu Nacional da Guarda.Gostou de a ter reencontrado neste post.
Beijinhos

Andreia do Flautim said...

Fica mesmo lá em cima!

Porca da Vila said...

Dou razão à Carminda. Tantos papéis estão a deixar-te empenada! HeHe!

Um Xi da Porca

Barão Van Blogh said...

Coloco a leitura em dia , é sempre bom passar por aqui .

Bom fim de semana .

Carminda Pinho said...

Lembrei-me agora de uma cantiga que aprendi em pequena não sei se em Mogofores ou já em Lisboa e a propósito do alto.
Era assim:

No alto daquela serra, está um lenço, está um lenço a acenar, vai dizendo viva, viva, morra quem, morra quem não sabe amar.

As coisas que nos vêm à memória a propósito de simples palavras.

Acho que tou a ficar bué da cota, mesmo.
Beijinhos