Tuesday, November 13, 2007

mar

cercada de montanhas
prisioneira das serranias
paradoxalmente
falta-me o ar
falta-me o mar!

10 comments:

Carminda Pinho said...

Há dias em que mesmo... com tanto mar, nos falta o ar.
Hoje é assim comigo, estou a ver a noite cair através da janela.
Não há mar que chegue para me lavar a alma... eu sei...há dias assim...para todos nós.
Amanhã é outro dia, um dia de cada vez...são frases batidas, mas que havemos de dizer? inventar outras?

Beijinhos amiga.

Andreia do Flautim said...

Adoro o mar!

Méon said...

Fala-se dos males da insularidade. Pode falar dos males do excesso de montanha?
O poeminha indica isso.
Mas... que há-de mais parecido com a magestade do mar do que uma montanha imponente?

Percebo, acho eu: a montanha esmaga-nos, o mar liberta-nos.

Grato à vida pela sorte que tenho: mar perto e uma pequena montanha para matar saudades - Montejunto!

Obrigado por mais um brinco de princesa...

bell said...

E ainda dizem que o ar das montanhas é revigorante... ;)

zef said...

Viva, Renda
Às vezes, as raivas são irmãs do poema...

Porca da Vila said...

Pudesse eu ajudar-te, mas nas minhas montanhas também não há mar...

Um Xi Grande

mixtu said...

el mar

curioso,

acontece quien vivió con el mar... el mar...

compañera, presto el mío,
cuando está nubes, la serra ... allá al fondo parece el mar...

abrazo europeo desde el Mali

Carminda Pinho said...

Pois é amiga, mas continuaremos a "ladrar" até que nos oiçam.
Beijinhos

Carminda Pinho said...

És uma querida amiga. :)
Bom fim de semana também para ti.
Beijokas

Porca da Vila said...

És esperada na Reserva. Vai lá, devagarinho... e não te assustes!

Que tenhas um óptimo fim-de-semana.

Um Xi Grande