Thursday, February 22, 2007

Diário de Viagem - Barcelona, dia um





Da janela do comboio, a terra sedenta e gulosa acabava por ficar alagada e lamacenta, debaixo da chuva imparável. Tudo calmo na viagem de avião. À espera, uma multidão (claro exagero) , embora a presença da Princesa parecesse como se aquela multidão toda estivesse ali por nossa causa.
Comecei a ler “A Catedral do Mar” e fui transportada a tempos muito antigos, violentos de uma injustiça atroz.
Primeiro dia
Chovia.
A largueza dos passeios e das ruas e a grandeza dos prédios, deixavam, com facilidade entrar a luz ferrugenta do dia . De nariz no ar, mirava as varandas de ferro, as fachadas todas vistosas. As imensas escadarias , mais ou menos, imponentes levavam-me a ver a Rebeca de Winter a descer, muito elegante, até ao salão.
Para enganar a chuva, enfiámo-nos, em boa hora, na Casa Batló ( que o senhor Batló pediu a António Gaudí para construir ) e a surpresa da poesia sem palavras: a conjugação do trabalho original do vidro, do ferro, do azulejo, da luz, muita luz, a luz e o ar presentes até nos sótãos-lavandarias fez esquecer a humidade e andámos ali a divagar pelas salas, encantados… Ainda demos uma vista de olhos pela Casa Milà, mas eram horas de atacar umas “tapas” para socorrer o estômago…
Deixou de chover.
Do Passeio de Gràcia até à Praça Catalunha e as Ramblas … em frente ao bar Zurique, na larga passadeira de peões, mal abria o sinal verde, assistia-se à contradança de uns bailarinos inconscientes do seu papel. E gente, sempre muita gente, e cor, muita cor na Boquería e mais gente, muita gente até à estátua de Colombo, lá do alto com o dedo a apontar em direcção a um qualquer destino por descobrir… um homem com tanta nacionalidade por saber.
Os pés moídos acalmaram à mesa do restaurante “ Julivert Meu” diante da refeição da noite e de um belo Rioja. Acabou-se a noite num bar do bairro Raval ( diz-se com b) , servidos por um jovem magrinho, de óculos e ar intelectuais que não parava de escrever num bloquinho, o qual continuou a ser escrito pelo colega que o rendeu e imaginou-se que estariam a criar um romance a dois e que o capítulo desse dia poderia muito bem ter começado assim: “ Entraram três figurinhas pelo bar dentro, sentaram-se a uma mesa e pediram três copos de vinho…”


4 comments:

jpg said...

Quero ler TUDO COM TEMPO E ATENÇÃO!

Voltarei em breve. Não tenho tempo para mais, de momento!
SORRY!

Um beijinho com carinho para a mamã babada.

jpg said...

Estiveste então em barcelona. Linda cidade, com tudo que podemos desejar. O moderno, o antigo, a praia, o campo tão perto, Motjuich e as suas verduras e vistas sobre a cidade...
Adoro barcelona. espero que te tenhas embrenhado por aqueles "carrers", transversais ás Ramblas, onde à direita quem desce tens um mercado municipal interessantíssimo. e depois, adentrando a velha cidade, a música das guitarras de jovens tocadores começa a invadir-te, ecoando nas paredes do velho casario...

Tenho a certeza que gostas de barcelona.

Um bjnh.

Cristina said...

OI
sou tradutora da Catedral do Mar no Brasil e preciso saber quem traduziu em Portugal. Já que vc tem o livro, poderia me enviar o nome do/a tradutor/a?
É que preciso fazer uma consulta e no site da Bertrand (pra variar), não há referência à pobre pessoa que passou 6 meses trabalhando nisto...
Grata
Cristina Cavalcanti
jicamita@gmail.com

Cristina said...

OI
sou tradutora da Catedral do Mar no Brasil e preciso saber quem traduziu em Portugal. Já que vc tem o livro, poderia me enviar o nome do/a tradutor/a?
É que preciso fazer uma consulta e no site da Bertrand (pra variar), não há referência à pobre pessoa que passou 6 meses trabalhando nisto...
Grata
Cristina Cavalcanti
jicamita@gmail.com