Thursday, February 18, 2010

Barcelona



esta manhã

não descemos o carrer de radas

para ir à Calábria tomar um cortado

e comer uma ensaimada

contigo.




não te acompanhámos

no metro da linha verde

até à esquina de frame 25,

nem voltámos

sobre os nossos passos

nem subimos a encosta do parque Güell

assoberbadas pelo trabalho fantasioso

do arquitecto Gaudí,

nem desconstruímos com Picasso

os retratos

e os quadros

as pombas e as flores

numa bebedeira de azul rosa e absinto,

nem sequer nos abrigámos da chuva

na pastelaria ao canto do palácio do rei,

nem passámos na boquería

onde se almoça a filosofar

entre cheiros e cores.


não esperámos por ti

para comer os pintxos

ou beber un cava rosado.


esta manhã foste sozinha no metro da linha verde...


nós abrimos a casa da misericórdia

de Margarit

página trinta e nove

e lemos el vendedor de rosas
solitario y furtivo , con su ramo,
va a locales ncturnos en busca de parejas.

guardámos na agenda os bilhetes de metro

e dos museus

metemos as fotos nos álbuns digitais

e voltámos à rotina da nossa (in)segurança.
não me esqueci outra vez da máquina fotográfica
para te deixar à entrada da porta
um beijo rápido e muitos risos.


esta manhã
não descemos a rua
para ir tomar um café
e beber um sumo de laranja
contigo...

3 comments:

zef said...

Esta nostalgia é bonita.
(E o beijo que foi deixado e também guardado... - Olhe gostei deste poema a valer)
Beijos

fernanda s.m. said...

E eu também, muito, Renda ! Percursos da alma e do coração.
Beijos.

Anonymous said...

Pois não

Estas manhãs não fomos à Calabria

Princesaa minhas, meus amores!