Sunday, April 11, 2010

de quando em quando



de quando em quando
uma noite em branco
texto nas entrelinhas
sangue sem azul
dias desiguais
pássaros a despropósito
pensamento insólito
parêntesis no sol
viagem para sul
conversa fiada
passo em falso
capela entre vinhas
flores nos laranjais
o silêncio nas fontes
um vão de escada
a varanda para o rio
alma penada
o ninho vadio
a água da nascente
a enchente
a passagem na ponte
o vinho e o poeta
a porta aberta
a portagem
a estrada

de quando em quando
a viagem
o saltimbanco
o salto

de quando em quando

o sobressalto...


3 comments:

gaivota said...

de quando em quqando...
sabe bem!
beijinhos

Efigênia Coutinho said...

Estava saudosa de ler seus versos, queria explicar minha ausencia, foi o batizado da netinha e minha vinda para New York, onde fico até fins de maio, mas aqui estarei presente para apreciar este seu espaço cultural,
Efigênia Coutinho

zef said...

Grandes viagens estas, Renda!
E gosto da maneira como as conta.
Um abraço