Monday, August 24, 2009


corpos estendidos na areia sedentos de sol
gaivotas sem gritos inquietos espreitam o mar

ao sabor das ondas e do tempo
o rochedo
ergue-se em altar


nas horas de nevoeiros sebastiânicos
partem os pescadores


e à tardinha o sol cai em fogo

ou anuncia a noite em branco brilhante.

3 comments:

Carminda Pinho said...

Sejas bem regressada.:)
Que as férias tenham sido boas.
Esse pôr do sol está espectacular, mas o teu poema, não lhe fica atrás.

Beijos, linda.

Adriana Karnal said...

muito bonito mesmo, que imagens de sol...

gaivota said...

ai a lourinhã, esta zona das praias do nosso oeste...
linda fotoooooooooooooo
beijinhos